NOTÍCIAS


14
fev

Voluntários do Bem promovem 4º Café Colonial pró HCC

Acontece, no dia 7 de abril, às 15 horas, a Tarde do Bem – 4º Café Colonial pró Hospital de Câncer de Catanduva, promovido pelos Voluntários do Bem. As adesões estão disponíveis a R$ 60 pelo 3311-3365 e a renda será destinada 100% ao HCC. O café acontece no Maison Villa Nobre/ Ge-Vera, localizado na Rua João Augusto Marrar, 823, Jardim Oriental, em Catanduva.
14
fev

Sexta das Mulheres

Nesta sexta-feira, 14 de fevereiro, Adelina Mendes da Silva, 68 anos, e Aparecida Margarete Alves Nunes, 56 anos, tocaram o Sino da Esperança simbolizando o final do ciclo radioterápico. Respectivamente, de Santa Adélia e Ariranha, ambas concluíram hoje os tratamentos no Hospital de Câncer de Catanduva, onde também realizaram, no caso de Adelina, quimioterapia, e de Aparecida, quimioterapia e cirurgia. “Desde que descobri mantive a minha alegria durante todo o tratamento, sempre com meu marido ao meu lado e confiando em Deus e na minha vitória”, contou Aparecida.
13
fev

Sintonia de amor

Em maio de 2019, em exame de rotina nos Estados Unidos, onde reside, Gisele Grandizolli descobriu o câncer. Diagnosticada, passou por cirurgia, quimioterapia e radioterapia e no dia 05 de fevereiro concluiu seu ciclo de tratamento ao tocar o Sino da Esperança no Hospital Orlando Health Cancer Center, em Orlando/EUA. Mas o que Gisele não sabia é que sua família preparava uma surpresa para ela aqui em Catanduva. Ao mesmo tempo em que Gisele tocava o sino, sua irmãGislaine G. Martani, já estava a postos no Serviço de Radioterapia do Hospital de Câncer de Catanduva e tocou o sino simultaneamente com ela. “Não podíamos estar com ela e sei como é fundamental a presença da família e de amor e carinho durante esse processo. Fizemos isso para que ela sentisse o quanto é amada por todos nós e agradeço a todos que ajudaram neste momento”, disse Gislaine, que é voluntária da AVCC (Associação Voluntária de Combate ao Câncer) ao lado da prima, Silvia Stuchi Frey, que também participou da homenagem. O momento foi registrado em Catanduva e nos EUA ao mesmo tempo. “Foi uma surpresa. Toda a minha família estava em sintonia sofrendo junto comigo. No dia, minha prima Iara Farizato Brocchetto foi comigo na última sessão e fizeram essa homenagem. Foi o jeito que elas tiveram de estar ao meu lado e essa sincronia de badalar o sino potencializou o sentimento de vitória”, disse Gisele, emocionada com o carinho da família, ao contar aliviada sobre toda a alteração da rotina em função do tratamento e sobre sentir-se livre com o final dele.“Acho que cada pessoa que finaliza um tratamento, a gratidão e a alegria reverberam por todo o Universo.Que muitos sinos toquem juntos simbolizando a união em família nestes tempos de conexão virtual.Que sejam muitas badaladas pelo mundo!”
12
fev

Tampinhas do Bem

O HCC tem um novo voluntário que, desde o inicio deste ano, vem arrecadando tampinhas para doar ao hospital. Leonardo Watanabe, 19 anos, é aluno do curso de Medicina da UNIFIPA/FAMECA e faz campanha nas redes sociais para que as pessoas também colaborem! #obrigadoLeonardo

DO SONHO A REALIDADE!


HCC Catanduva – R. dos Estudantes, 225
Parque Iracema, Catanduva - SP, 15809-144
HOSPITAL DE CÂNCER DE CATANDUVA - HCC